Realidade cada vez mais próxima de Black Mirror

China implementa sistema de crédito social com milhares de câmaras a avaliar o quotidiano de cada pessoa.

China implementa sistema de crédito social com milhares de câmaras a avaliar o quotidiano de cada pessoa.

Imagine viver num país onde as suas ações têm mais valor que o seu dinheiro? Neste caso, as duas coisas são necessárias, contudo, precisa também de ter "crédito social" para poder usufruir de alguns serviços.

Está a acontecer na China e é muito semelhante ao primeiro episódio da terceira temporada - Nosedive - da série Blackmirror. 

Muito resumidamente, existem câmaras a avaliar o seu quotidiano através de um sistema de reconhecimento facial e de inteligência artificial que atribuem pontos - Crédito social - com base nas suas ações.

Mas não só! O crédito social é atribuído também com base em ranking bancário, pagamentos de empréstimos / serviços ou até compras online. 

Os chineses com pouco crédito têm acesso limitado, ou vedado, a empréstimos, matrículas e a algumas escolas que exigem um mínimo deste crédito para a candidatura.

Segundo um relatório anual, a venda de 17.5 milhões e passagens aéreas e 5.5 milhões de bilhetes de comboio foram negadas a cidadãos chineses por "falta de crédito social" mínimo necessário para viajar para determinados destinos.


Abuso de privacidade

A criação deste sistema de créditos é considerada por muitos um mau uso do avança e capacidade tecnológica dos dias de hoje, contudo, o governo Chinês justifica a existência de tal serviço como uma forma de melhorar o comportamento da sociedade. 

Além dos problemas de privacidade, não há transparência sobre como as regras são impostas nem tão pouco instruções sobre como reaver pontos perdidos.